As modalidades terapêuticas não convencionais, como a homeopatia e a acupuntura, são uma opção de tratamento para as mais diversas doenças.

Desse modo, a população está indo cada vez mais, em busca dessas práticas médicas.

Que acima de tudo, são usadas a séculos. E possuem comprovações científicas, que garantem a sua ação e segurança.

<<LEIA TAMBÉM: Prevenção do COVID-19 em trabalhadores, por meio da homeopatia>>

Garantia ao Acesso as Terapêuticas Não Convencionais:

Assim, o Ministério da Saúde, criou em 2006, a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Que garante o acesso da população, às terapêuticas não convencionais.

Desse modo, os pacientes têm atendimento gratuito nas áreas de Acupuntura, Homeopatia, e Fitoterapia.

Disponibilizadas nas Unidades Básicas de Saúde e nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Além de ser possível ainda, o uso em hospitais.

Porém, no Brasil, apesar dessas terapêuticas serem reconhecidas como especialidades médicas, elas estão incorporadas ao currículo acadêmico de poucas faculdades de medicina.

Desse modo, o ensino médico da homeopatia e da acupuntura no Brasil, é sobre a forma de cursos de especialização ou pós-graduação. 

<<LEIA TAMBÉM:O uso do efeito rebote dos medicamentos alopáticos de acordo com a homeopatia.>>

Médicos, divulguem o uso da homeopatia para os seus pacientes!

Dessa forma, existem muitos pontos positivos, que podem ser chamados de facilitadores para o aumento do uso das terapêuticas não convencionais.

Principalmente no uso da homeopatia, que tem sido procurada pelos pacientes. Que além de todos os seus benefícios, possui baixo custo, em relação aos medicamentos.

Porém, ainda existem dificuldades na ampliação do acesso as terapêuticas não convencionais. A maior parte relacionadas a falta de profissionais qualificados.

Em conclusão, o uso e a procura das modalidades terapêuticas não convencionais é crescente no Brasil e no mundo.

E cada vez mais, por meio do seu uso é possível garantir a saúde e a qualidade de vida a população.

Acesse o conteúdo completo sobre esse tema.

Clique aqui e acompanhe o site da AMHB (Associação Médica Homeopática Brasileira).