A atual pandemia de COVID-19, já tem dados relevantes, os quais mostram uma maior suscetibilidade dos idosos ao SARS-CoV-2. Especialmente dos indivíduos com mais de 60 anos e com comorbidades. Do mesmo modo, as taxas de mortalidade dessa população pode estar entre 10 a 12%, em razão dessa patologia.

Com isso, a razão dessa maior suscetibilidade, pode estar relacionada com o aumento da expressão da enzima conversora de angiotensina-2 (ECA-2) nos tecidos pulmonares e cardíacos de pacientes idosos hipertensos, com uso crônico de bloqueadores AT1R (inibidores do receptor de angiotensina II do tipo 1). Ou ainda, pode estar associada ao aprimoramento dependente de anticorpos (ADE).

<<LEIA TAMBÉ: SUS e a Homeopatia no cuidado das Epidemias>>

A ECA-2 pode ser o potencial receptor de invasão para os coronavírus.

Da mesma forma, o uso de inibidores da ECA e antagonistas da AT1R parece regular positivamente a expressão da ECA-2, facilitando a inserção e entrada do vírus. 

Suscetibilidade ao SARS-CoV-2, pode estar relacionada com o ADE

O ADE é um fenômeno pelo qual os vírus usam anticorpos não neutralizantes pré-existentes da exposição anterior para invadir as células hospedeiras.

Com isso, uma vez que os pacientes idosos, já foram expostos a infecções anteriores, mais vezes do que indivíduos mais jovens, possuem um repertório mais vasto de anticorpos.

No entanto, os anticorpos circulantes, em vez de neutralizar a SARS-CoV-2, podem se ligar às partículas virais e promover a internalização desse, contribuindo para a piora da COVID- 19.

Em conclusão, são necessárias mais investigações, não apenas para entender melhor a etiologia da atual infecção por SARS-CoV-2. Mas para estar melhor preparado para  futuras epidemias.

A AMHB (Associação Médica Homeopática Brasileira) está trabalhando no enfrentamento dessa epidemia. Uma vez que já é conhecido o potencial da homeopatia em epidemias anteriores.

Acesse o nosso blog, e fique informado sobre os novos estudos: https://amhb.org.br/blog/
E para acesso ao conteúdo desse post na integra, acesse: http://www.revistas.usp.br/clinics/article/view/170113