O grupo de pesquisas da ABRAH (Associação Brasileira de Reciclagem e Assistência em Homeopatia) discutiu o gênio medicamentoso da COVID-19 e os principais pontos relacionados à atual pandemia, por meio de uma reunião por videoconferência, no dia 21 de março deste ano, com os representantes do Rio de Janeiro e de São Paulo.

O novo Coronavírus, nomeado como SARS-CoV-2, é um vírus com alta virulência e que provoca quadros que vão desde assintomáticos ou com síndrome respiratória leve (cerca de 80%), até casos muito graves com insuficiência respiratória (entre 5 a 10%).

<<LEIA TAMBÉM: Como funcionam as duas vacinas que serão testadas em Brasileiros>>

As doenças epidêmicas e os sintomas gerais.

Acima de tudo, as doenças coletivas de caráter epidêmico, como o atual COVID-19 costumam ser contagiosas, febris, terminando por resolução espontânea ou óbito. Entretanto, são passíveis de tratamento pela lei dos semelhantes, segundo os conceitos de gênio epidêmico e gênio medicamentoso.

Desse modo, devido à grande variedade de manifestações clínicas no COVID19, além do gênio medicamentoso, optou-se por ampliar a abordagem homeopática. Definindo alguns medicamentos que contemplam os principais sintomas, nas diferentes fases da doença e devidamente modalizados.

Desse modo, a homeopatia se estabelece na possibilidade das substâncias alterem o estado de saúde e a capacidade de cura através do uso desses medicamentos, de acordo com a semelhança encontrada com o estado de doença.

Na concepção da homeopatia clássica sistêmica, a terapêutica homeopática altera o estado de saúde, promovendo o movimento da autorregulação e consequentemente o retorno ao estado de saúde.

<<LEIA TAMBÉM: Observações prognósticas nos casos agudos – Campanha homeopatia na COVID-19.>>

O gênio medicamentoso da COVID19

Diante das análises da matéria médica, é proposto como gênio medicamentoso para a pandemia provocada pelo COVID19, a China Officinalis. A posologia recomendada da China Officinalis 6 CH líquido, 6 gotas 1 vez ao dia, por no máximo 6 meses.

Já em relação aos medicamentos circunstanciais, pode-se usar para a higienização e desinfecção da cavidade oral a Calendula Officinallis 2DH, 10 gotas em meio copo de de água morna, para realização de bochechos 3 vezes ao dia.

Além disso, em razão da grande variabilidade dos sintomas provocados pela COVID19, são propostos os medicamentos: Ferrum Phosphoricum 6 CH, Gelsemium 6CH, Justicia Adhatoda 6CH, Senega 6CH ou Carbo Vegetabilis 6CH, na posologia de 6 gotas 3 vezes ao dia até melhora sintomática.

<<LEIA TAMBÉM: Os medicamentos na COVID-19 – Campanha Homeopatia na Covid>>

Os medicamentos homeopáticos na fase aguda da COVID-19 

Na primeira fase da doença, pode utilizar-se Ferrum Phosphoricum, Justicia Adhatoda ou Gelsemium. 

Na fase com sintomas pulmonares, recomenda-se Senega para pacientes com fraqueza geral, tosse frequente, respiração ruidosa, acúmulo de mucosidade nos brônquios. 

E Carbo Vegetabilis nos casos onde se observa evolução para dispnéia com queda da saturação oxigênio.

Em conclusão, os medicamentos homeopáticos devem corresponder aos sintomas coletivos, isto é, para cada tipo de epidemia deve ser elencado um tipo de medicamento. E acima de tudo, o tratamento homeopático auxilia esse processo, tornando-o mais rápido, suave e eficaz.

Para ter acesso ao  protocolo completo  da ABRAH acesse: https://drive.google.com/file/d/11KkroC8CfNJDvkVthXyyaQ5HnUyspcMv/view?usp=sharing