Todos os países independente da situação financeira tiveram demanda de infectados por COVID-19 muito superior à capacidade de atendimento do sistema de saúde, o que resultou em várias mortes por falta de atendimento especializado. Assim, ficou claro que não estávamos preparados para uma pandemia de tamanha magnitude.

Os profissionais de saúde viram sua carga de trabalho aumentar consideravelmente com o início da pandemia que colocou muitos em risco, afastou do convívio da família e elevou os níveis de estresse.

A saúde se destacou devido a sua qualidade interdisciplinar que reúne especialistas de diversas áreas como enfermeiros, nutricionistas, biólogos, fisioterapeutas e psicólogos com o propósito de salvar vidas.

No futuro as consequências do novo coronavírus vão continuar exigindo dos profissionais de saúde um trabalho intenso no gerenciamento dos efeitos psicológicos negativos como depressão e ansiedade que a perda de vidas causa.

Da mesma forma o tratamento de outras doenças foi afetado pela pandemia, uma vez que todos os recursos e investimentos foram direcionados para contar o avanço do COVID-19.

Muitos setores da economia foram afetados pelo COVID-19

A ciência é mais uma área de destaque na atual situação emergencial. Em todo o mundo estudos e pesquisas estão sendo realizados com o propósito de entender o mecanismo de desenvolvimento do vírus, sua fisiologia, aspectos genéticos e ambientais. Além de ajudar no tratamento, suporte e possível cura da doença.

Quando falamos em política o contraste entre a forma como cada governo enfrentou o problema é enorme, com grande divergência sobre como gerenciar o isolamento social e os investimentos necessários para evitar mortes e salvar a economia. Também são visíveis as transformações que a pandemia causou em toda a sociedade, no entanto, somente o tempo dirá quais medidas foram mais efetivas.

<<LEIA TAMBÉM: Homeopatia combate os efeitos colaterais da quimioterapia>>

A educação foi uma área bastante afetada pelo COVID-19, uma vez que as aulas precisaram ser suspensas e crianças e adolescentes tiveram suas atividades interrompidas. O que levou a urgência do ensino a distância, e escancarou o abismo social que separa as pessoas da tecnologia e internet, tão necessárias para participar das aulas online.

Outro problema relacionado à educação é a compreensão da situação, que fez muitas pessoas minimizarem o problema em virtude da baixa capacidade reflexiva.

Apesar da globalização e da tecnologia que permite que notícias sejam transmitidas em tempo real, vivenciamos o crescimento das informações falsas, ou fake news segundo o vocabulário das redes sociais. Em função disso, a enxurrada de informações falsas que as pessoas receberam diariamente atrasou a ajuste da população a nova realidade do vírus.

Para ler o artigo completo acesse: https://bityli.com/xBxRx