Logo no começo da pandemia as pessoas começaram a compartilhar receitas para vencer o COVID-19. O que foi um grande erro, pois essas indicações tinham sido utilizadas nos casos de outros coronavírus, como a SARS e a MERS, que eram outros tipos de vírus.

Ainda que fossem da mesma família do corona é outro vírus e epidemia completamente diferente. Então pegaram medicamentos que foram usados naquela época e tentaram utilizar agora, mas isso não funciona, já que o vírus é outro.

A COVID-19 tem 3 fases. Na primeira fase que vai do primeiro ao quinto dia, os sintomas são variam bastante, tem paciente que não sente absolutamente nada, os que são portadores da doença (não têm sintomas), mas estão transmitindo o vírus.

Entretanto, grande parte dos indivíduos apresenta cefaleia, dor de garganta, perda do paladar e olfato, febre, fadiga, mialgia e tosse seca, o que corresponde a 80% dos pacientes.

Na segunda fase que vai do quinto ao oitavo dia surge a pneumonia, a tosse sofre alteração ou piora, aparece falta de ar, dor no tórax e a febre volta. Isso corresponde a 13,8% dos pacientes.

<<LEIA TAMBÉM: Como manter o pensamento positivo sempre?>>

Na terceira fase onde aparecem os pacientes do grupo deprimido, idosos e com comorbidade, é quando ocorre uma síndrome respiratória grave. Em geral, acontece de uma forma muito rápida ou repentina, em 1 ou 2 dias o paciente precisa ser entubado, já que o quadro começa a piorar. É bastante grave, e com um índice de mortalidade muito grande, de 50 a 60% dos pacientes.

Medicamentos diferentes para cada fase da doença

Como são 3 fases, provavelmente teremos medicamentos diferentes para cada uma delas, especialmente para a terceira, visto que os sintomas são muito diferentes. Talvez sejam encontrados medicamentos para a primeira e segunda fase primeiro, até pode ser um único medicamento para ambas, no entanto, eles ainda não existem.

Qual a proposta de trabalho da homeopatia nos casos de COVID-19?

É estudar os medicamentos para tratar a primeira fase, uma vez que ainda não havia pacientes na segunda fase, muito menos na terceira.

É um erro muito grande tentar encontrar um único medicamento para as 3 fases da doença, pois são bem diferentes, principalmente quando comparamos a primeira fase com a terceira. O que está gerando discordâncias no meio homeopático, além de diversas alternativas de tratamento.