A epidemiologia clínica visa fazer predições sobre pacientes individuais, através de grupos de pacientes similares, analisando eventos clínicos semelhantes, utilizando os estudos epidemiológicos para assegurar maiores certezas nas conclusões.

Desse modo, os estudos epidemiológicos devem diminuir os erros sistemáticos e/ou os erros aleatórios. Por meio dos resultados, é possível aperfeiçoar a prática clínica.

Além disso, a realização dos estudos em epidemiologia clínica, devem seguir as diretrizes da ética em pesquisas em seres humanos, da resolução N° 196, de 10 de outubro de 1996, a qual regulamenta essas pesquisas.

<<LEIA TAMBÉM: Pesquisas científicas padrão-ouro adaptadas a episteme homeopática.>>

A adaptação dos estudos epidemiológicos à episteme homeopática:

A incorporação das premissas homeopáticas ao Ensaio Controlado Randomizado (ECR), devem respeitar o paradigma homeopático. Da mesma, forma que a qualidade metodológica, dos estudos epidemiológicos devem ser garantidos, por meio da aplicação correta dos princípios da epidemiologia clínica.

Por meio da adaptação do ECR, à episteme homeopática, garante a qualidade dos estudos epidemiológicos, e respeita os preceitos da homeopatia. Com a individualização do medicamento homeopático, repertorização e hierarquização dos sinais e sintomas, além da individualização das doses e das potências homeopáticas. E ainda, a importância com o tempo da consulta, observação dos eventos adversos, e adequada avaliação quali-quantitativa dos desfechos.

A epidemiologia clínica nas epidemias:

A epidemiologia é o estudo das epidemias. As doenças emergentes sempre apresentaram um colapso sobre o sistema de saúde.

As doenças transmissíveis são causadas pela transmissão de um agente infeccioso, para um hospedeiro suscetível. Os quais podem ser transmitidos de modo direto ou indireto. As doenças contagiosas são transmitidas pelo contato direto entre os seres humanos, por exemplo. A varicela, o sarampo e a COVID-19, são doenças transmissíveis e contagiosas.

Da mesma forma, as doenças transmissíveis ocorrem como resultado de uma cadeia de infecção, ou seja, a interação entre o agente, hospedeiro e o ambiente. O manejo de uma epidemia envolve o tratamento dos casos, prevenindo a difusão da doença e monitorando os efeitos das medidas de controle.

Além disso, as medidas de controle das epidemias se baseiam na proteção dos hospedeiros susceptíveis. E ainda da identificação, controle e se possível eliminação dos reservatórios. Assim como, interrupção das vias de transmissões.

Entretanto, o uso de métodos epidemiológicos na investigação e controle das doenças transmissíveis é um desafio. E existe uma necessidade da realização de investigações serem feitas de forma rápida e recursos limitados.

<<LEIA TAMBÉM: Protocolo de atendimento para COVID-19 de Santa Catarina>>

Tipos de estudos epidemiológicos em epidemias – Imunização

Da mesma forma, que diante das epidemias as vacinas permitem a prevenção e o controle de doenças transmissíveis. Os programas de imunização visam alterar a ecologia de determinados agentes infecciosos e o comportamento das doenças a eles associadas, buscando proteger a população.

Os aspectos a serem considerados em um programa de vacinação são:

  •         Eficácia/ efetividade da vacina;
  •         Aplicação de estratégias apropriadas à cobertura vacina;
  •         Equidade no acesso a vacina (custo-benefício). 

Da mesma forma, os estudos epidemiológicos diante de epidemias podem ser realizados por meio de métodos observacionais: Ecológico, transversal e caso controle. Além dos estudos experimentais: ensaio clínico randomizado controlado com grupos, e ensaios comunitários. Os estudos epidemiológicos examinam as relações entre determinados desfechos, e vários fatores de exposição.

Cada epidemia é um fenômeno com suas próprias características, devendo ser diferenciadas pelas anteriores!

Na atual epidemia de COVID-19, tem-se até o momento na PubMed, 5 estudos em Homeopathy AND COVID-19, e pelo portal regional da BVS, 7 estudos no mesmo tema.

Pode-se evidenciar a necessidade de mais estudos epidemiológicos, na atual epidemia de COVID-19. Para desse modo, se tornar possível a implantação de medidas homeopáticas seguras e eficazes. Os estudos epidemiológicos em homeopatia podem ser realizados, garantindo a qualidade metodológica, e respeitando a episteme homeopática.

Acesse o conteúdo completo em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1102603. E assista a Live onde o Dr. Marcus Zulian Teixeira explica sobre os estudos epidemiológicos: https://www.youtube.com/watch?v=aEEDSXua0q0