Na segunda aula sobre epidemiologia clínica, ministrada pelo Dr. Marcus Zulian Teixeira, durante a live no canal da AMHB (Associação Médica Homeopática Brasileira) na rede social You Tube. Dr. Marcus aborda a epidemiologia clínica homeopática nas epidemias e explica a importância das pesquisas em homeopatia, além da oportunidade da realização dessas durante as epidemias.

Perdeu a primeira aula, assista aqui: https://amhb.org.br/epidemiologia-clinica-entenda-o-que-e/

Toda epidemia, como a atual pandemia de COVID-19, apresenta grande e imprevisível sobrecarga ao sistema de saúde, levando-o ao colapso. Desse modo, o manejo de uma epidemia envolve o tratamento dos casos, além da prevenção da difusão da doença e monitoração dos efeitos das medidas de controle. Da mesma forma que requer o acompanhamento epidemiológico e estudos laboratoriais.

Premissas para elaboração de estudos Epidemiológicos em Homeopatia:

Os estudos epidemiológicos por meio da aplicação da Epidemiologia Clínica ao Ensaio Controlado Randomizado Homeopático (ECRH), seguem as premissas epidemiológicas, para incrementar a qualidade metodológica do ensaio. A qual deve ter uma amostra significativa de participantes, a realização de randomização e a utilização do método duplo-cego.

<<LEIA TAMBÉM: O gênio medicamentoso do COVID-19 – Protocolo da ABRAH (Associação Brasileira de Reciclagem e Assistência em Homeopatia)>>

Além da descrição adequada dos sintomas homeopáticos, a conduta medicamentosa, os resultados e as análise estatísticas, também devem ser descritas de maneira completa.

Incorporação das premissas homeopáticas ao ECR

Nos estudos homeopáticos, devem-se ser seguidas a episteme da homeopatia durante os Ensaios Controlados Randomizados Homeopáticos (ECRH).

Como resultado, a adaptação do ECR à episteme homeopática, requer a individualização do medicamento homeopático, além da individualização das doses e das potências homeopáticas.

Acima de tudo, os critérios na escolha do medicamento devem seguir a repertorização e hierarquização dos sinais e sintomas. Como também, deve-se dar importância a observação dos eventos adversos. Desse modo, é possível chegar a uma avaliação quali-quantitativa dos desfechos.

<<LEIA TAMBÉM: A repertorização homeopática na COVID-19 – Campanha Homeopatia na Covid-19>>

Além disso, em quadros epidêmicos, é fundamental o conhecimento das características específicas do agente causador da patologia. Na atual epidemia de COVID-19, algumas características importantes do vírus SARS-Cov-2, já foram descritas.

Estudos em epidemiologia na imunização

Os programas de imunização visam alterar a ecologia de determinados agentes infecciosos e o comportamento das doenças a eles associadas, buscando proteger a população.

No entanto, a validade da evidência de um estudo se relaciona ao grau de confiança de seus resultados. O desenho e o planejamento dos estudos devem minimizar os erros sistemáticos que ofuscam a avaliação da eficácia da intervenção ou a ocorrência de eventos adversos da mesma.

Independentemente do tipo de investigação (observacional ou experimental), quando existir um grupo de comparação o estudo será analítico, permitindo identificar a associação entre determinada exposição e um desfecho, ou seja, entre uma intervenção (vacina) e a proteção contra uma doença.

O estudo transversal, seccional ou de corte, pode ser usado para estudar a relação exposição-doença em uma população em um momento particular. Da mesma forma, que os estudos ecológicos analisam um grupo de pessoas ao invés de indivíduos.

E o ensaio comunitário, vai ser empregado quando se deseja observar doenças que tenham suas origens nas condições sociais. A escolha do tipo de estudo depende da necessidade da pesquisa e a possibilidade de aplicação dessa.

A episteme homeopática é mantida nos estudos homeopáticos
Em conclusão, em homeopatia, a busca pelo gênio epidêmico, permite por semelhança identificar o medicamento apropriado ao quadro característico da epidemia. O qual é formado pela totalidade dos sinais e sintomas característicos. Esse medicamento individualizado pode ser aplicado no tratamento dos pacientes acometidos pelo mesmo surto da doença, como isso mantendo sua coerência epistemológica.

A epidemia de COVID-19, é uma oportunidade para mostrar potencialmente a contribuição da homeopatia. No entanto, de acordo com o dr. Marcus Zulian, isso deve ser feito através da realização de ensaios clínicos impecavelmente controlados, prospectivos e randomizados.

Assista ao vídeo onde o Dr. Marcus Zulian, explica a Epidemiologia Clínica Homeopática nas epidemias, acesse nosso canal no YouTube. Não esqueça de curtir o vídeo, seguir o canal e ativar as notificações: